A Motorola já tinha me enviado o Razr D1 e foi um aparelho que gostei muito, principalmente pelo preço pelo qual está sendo vendido e seu desempenho. Logo depois eles me enviaram também o Razr D3, o irmão mais velho e eu já esperava por um bom smartphone.

O Motorola Razr D3 é certamente um dos melhores custo-benefícios disponíveis hoje, principalmente entre os aparelhos mid-end. Ele não tem especificações sensacionais, mas oferece um desempenho ótimo pelo preço.

O aparelho possui design muito parecido com o Razr i, ele possui apenas a tela um pouco menor e a traseira é de plástico, ao invés do Kevlar. E também não existe o botão dedicado para fotos.

Especificações Técnicas

O Razr D3 possui tela de 4 polegadas com resolução de 480 x 800 pixels, processador dual-core 1.2 GHz, 1GB de memória RAM, câmera traseira de 8 megapixels com flash LED, câmera frontal de 1.2 megapixels, 4GB de espaço para armazenamento interno podendo ser expandido até 32GB via microSD, bateria de 2000 mAh. As dimensões dele são 119.3 x 59.8 x 9.8 mm e pesa 120 gramas. Ele roda Android 4.1.2 Jelly Bean e deverá ser atualizado para as próximas versões.

Imagens do Aparelho

Câmera

A câmera do aparelho não atendeu às minhas expectativas. Desde o lançamento do dispositivo, a Motorola tinha dado bastante foco neste ponto, mas no final das contas não passa de uma câmera que está na média em relação aos concorrentes. O sensor de 8 megapixels retroiluminado não faz tanta diferença, as fotos tiradas em boas condições de iluminação ficam... Normais. Com pouca luz os ruídos não aparecem tanto, mas eles estão lá, como sempre. Ela não é nem boa, nem ruim. Esperava mais.

O problema está na gravação dos vídeos, não é algo que costumo usar, mas quando li algumas informações sobre o aparelho vi que os vídeos em HD (720p) são todos gravados no formato .3gp, sabemos que a maioria dos Androids gravam em .mp4 e no formato utilizado pelo dispositivo a imagem não fica muito boa e o áudio idem.

Bateria

Assim como seu irmão mais novo, a bateria do Razr D3 manda bem, mesmo quando usado com dois chips. O aparelho aguenta o uso moderado durante dos dias sem nenhum problema e quando usei ele com mais intensidade, assistindo a mais vídeos e navegando mais pelo 3G ele não me deixou na mão, terminei o dia ainda com 30% da carga sobrando.

Quando usado com apenas um chip, não notei uma diferença tão grande na autonomia. Ponto positivo. Certamente o Razr D3 não irá decepcionar ninguém no quesito bateria.

Navegação, desempenho e sistema

O processador de dois núcleos torna a navegação pelo sistema bem fluída. O Android Jelly Bean também ajuda, os últimos ajustes que o Google fez no sistema o tornou muito rápido mesmo naqueles aparelhos que não possuem hardware tão potente. A parte positiva é que a Motorola não modificou muita coisa, e assim deve continuar em seus aparelhos. Como sempre, foi adicionado o aplicativo Smart Actions que automatiza algumas tarefas, como colocar o celular no silencioso durante um determinado período de tempo, entre outras coisas, já falei bastante dele em outras análises dos aparelhos da companhia e a maioria já deve conhecer bem o recurso.

Além dele, o Quick Settings também está presente, é só deslizar a tela inicial para a direção da esquerda e ele aparece. Acredito que a partir da atualização para a próxima versão do Android esse recurso deverá sair, já que as configurações rápidas poderão ser acessadas da barra de notificações, ou então eles devem ocultar essa parte e manter do jeito que está.

O navegador padrão é o Chrome e ele funcionou muito bem, em relação a algumas outras alternativas disponíveis na Play Store ele é bem pesadinho, mas mesmo assim prefiro e recomendo que utilizem ele pela facilidade de sincronização das abas entre o computador e o smartphone. O Google Now está aqui também, uma mão na roda, gosto bastante da ferramenta e ela vai se tornando uma ótima assistente, quanto mais você usar, melhor ela irá ficar.

O modelo já vem com o aplicativo Quickoffice instalado, permitindo visualizações de documentos do Office com facilidade. Por não ter muitas modificações, são poucos os apps pré-instalados, o reprodutor de música por exemplo é o padrão do Android, eu gosto dele, mas eu preferia o que vinha nos modelos mais antigos da fabricante, que exibia a letra da música. Nada que uma procurada na Play Store não resolva, mas é bem melhor quando algumas funções são nativas dos aparelhos.

Preço

O preço do aparelho é tão bom para o que ele oferece que até está difícil de encontrá-lo disponível nas maiores lojas. O valor sugerido é R$ 799,00 mas é possível encontrar em alguns poucos lugares com desconto para o pagamento à vista por R$ 730,00.

Pontos Positivos

Ótimo desempenho para o preço
Android atualizado e com promessa de update para as próximas versões
Bateria, dura bastante

Pontos Negativos

Pouco espaço de armazenamento interno
Gravação de vídeos não agrada

Conclusão e Notas

Por apenas R$ 799,00 o Motorola Razr D3 é um aparelho e tanto. Eu gostei muito dele, estava usando o Nexus 4 e o deixei de lado para poder testar melhor o D3 e confesso que não senti tanta falta do meu Nexus. Claro que a diferença no desempenho é enorme, mas o dispositivo da Motorola não deixa a desejar, a tela tem um tamanho bacana, ele é confortável para pegar e é fácil de mexer com apenas uma mão. Se você estiver procurando um celular que tenha um bom desempenho e que custa menos que mil reais, essa seria a escolha certa no momento.

Câmera = Nota 6
Bateria = Nota 9
Velocidade = Nota 8
Sistema = Nota 8
Preço = Nota 9

Avaliação = Nota 8 de 10.