O iOS 7 é, sem dúvidas, a atualização que mais alterou o aspecto do sistema operacional móvel da Apple desde sua primeira versão. As mudanças abrangem desde a tela de bloqueio, até a aparência das aplicações nativas do sistema. Além das fontes, barra de status e sons. Também foram adicionados recursos como Central de Controle, Central de Notificações e multitarefa totalmente reformulados, que eram uma das maiores demandas dos usuários.

A tela de bloqueio perdeu aquele aspecto tradicional, praticamente imutável desde o primeiro iOS. Agora, ao invés de uma barra para desbloquear o aparelho, o usuário pode deslizar o dedo em qualquer parte da interface. O relógio e a data perderam aquele fundo transparente, o que deixou o aspecto da tela de bloqueio ainda mais clean. O botão da câmera foi para a parte inferior direita da tela, tornando-se quase invisível.

A nova Central de Controle e a Central de Notificações passaram a ser acessíveis na tela de bloqueio e, mediante escolha do usuário, este acesso pode ser limitado. A interface da tela de bloqueio quando uma música está sendo reproduzida também foi alterada. Antes, o usuário precisava pressionar o botão de início duas vezes para acessar os controles de música. No iOS 7, eles ficam visíveis a todo tempo.

A Central de Controle foi um dos recursos mais pedidos pelos usuários. Ela já existe no Android, de uma maneira diferente, e é um recurso extremamente útil. Basta deslizar o dedo de baixo para cima e, em qualquer lugar do sistema, o usuário pode ligar/desligar modo avião, WiFi, Bluetooth, Não Pertube, lanterna e bloquear a rotação de tela. Além de controlar o brilho, mídia reproduzida e abrir aplicativos como cronômetro, calculadora e câmera.

A Central de Notificações ganhou uma “cara” de assistente pessoal. Ela passou a ter três abas: Hoje, que contém calendário, compromissos, previsão do tempo, aniversários de amigos e ações; Todas e Perdidas, que mostram as notificações dos aplicativos. Um detalhe interessante: ela agora não sobrepõe a tela, mas tem um efeito de “vidro”.

O multitarefa, que também era uma reclamação recorrente por parte dos usuários, foi reformulado. Ele continua sendo acessível por meio de dois toques no botão de início, porém com aparência bem melhor. Agora, ao invés de mostrar o ícone do aplicativo, o multitarefa mostra uma miniatura do que estava sendo visualizado e o ícone. Para fechá-lo, basta deslizar a miniatura referente ao aplicativo para cima.

Além disso, alguns aplicativos ganharam um recurso chamado “Atualização em 2º plano”. Isso quer dizer que, mesmo quando você não está usando-o, ele continua atualizando suas informações. É bom ficar atento a esse recurso, pois ele pode ser um dos vilões no consumo da bateria. Desative esse recurso para aplicativos que você não precisa que fiquem atualizados a todo tempo.

Não poderíamos deixar de mencionar a maior mudança do sistema: o design. A Apple decidiu abandonar o skeumorfismo e aderiu ao flat design. O sistema, que tinha uma aparência mais séria, ficou surpreendentemente clean e jovial. As transições também merecem destaque. Ao abrir um aplicativo, por exemplo, as outras aplicações “voam” enquanto o aplicativo aberto ganha a tela. O sistema não parece mais estático, como seus predecessores.

O que gostamos

A primeira vista, achei o iOS 7 um pouco “infantil” devido ao seu novo esquema de cores. Mas, como usuário do sistema desde 2009, eu estava sedento por uma mudança e estava considerando mudar para o Android. A mudança veio e, embora o skeumorfismo – que eu gostava – tinha sido abandonado, o sistema me conquistou pelos novos recursos.

Já havia passado da hora do iOS contar com um recurso como a Central de Controle, que era uma das funcionalidades que mais me atraía no Android. Além disso, como eu mencionei acima, as transições deram ao iOS uma aparência bem mais moderna. Detalhes pequenos, como a interface para digitação do código de desbloqueio se adaptar a cor do wallpaper, também fizeram toda a diferença na minha decisão de permanecer no iOS.

O que não gostamos

Eu conseguiria resumir tudo que eu não gostei nessa nova versão do iOS em uma palavra: ícones. Alguns dos ícones ficaram horríveis. É o caso do ícone do Game Center e da Banca. Além disso, a intenção não era de abandonar o skeumorfismo? Então, por que o ícone de contatos ainda remete a uma agenda de endereços? Alguns dos ícones parecem que foram feitos às pressas.

Outros, como o de música, calendário e relógio, ficaram bonitos. O ícone do relógio passou a exibir a hora em tempo real. Ícones que exibem informações relevantes a função do aplicativo foi uma boa sacada da Apple, pois tornam o sistema ainda menos estático. Porém, pelo menos por enquanto essa característica ficou limitada ao ícone do relógio. Seria interessante, por exemplo, que o ícone do aplicativo de previsão do tempo mostrasse a temperatura no local atual.