A Samsung realizou ontem (26) em São Paulo, uma coletiva de imprensa para o lançamento do Galaxy S5 no Brasil. O aparelho chega por R$ 2.599 e estará nas lojas a partir do dia 12 de abril. Durante o evento eles também falaram sobre o Gear Fit e o Gear 2, os dois smartwatches da companhia que podem fazer companhia para o modelo topo de linha da Samsung.

Tive a oportunidade de testar o aparelho por alguns minutos e o primeiro contato deixou boas impressões. Ainda não dá para dizer o que está sobrando ou que está faltando, porém podemos perceber em pouco tempo que é um dispositivo com potência de sobra.

O design dele não mudou muito na parte frontal, apenas na parte traseira que tivemos uma alteração significativa. Ela continua sendo de plástico, mas tem uma textura com pequenos furos. Nas fotos parece bem mais feio do que pessoalmente, ainda assim continua feio. A parte boa é que ao segurar ao aparelho não temos mais aquela sensação de plástico barato.
Galaxy-S5-1
Uma boa notícia: O TouchWiz foi redesenhado. A interface personalizada da Samsung ganhou design flat, tudo está mais organizado e bonito. Essa era uma das coisas que mais me incomodavam no modelo anterior, sempre preferi o Android puro. Aparentemente a interface da companhia ganhou bons recursos e não deve incomodar tanto, pelo contrário, gerou uma ótima impressão.

A câmera ganhou algumas novidades de encher os olhos. A fabricante promete que o sensor possui autofoco de 0,3 segundos, é uma velocidade impressionante. Mas a grande novidade é o foco seletivo, esse é daqueles recursos que todos os celulares deveriam ter a partir de agora. Ao ativar esse modo, capturamos três imagens diferentes (uma com o foco próximo, outra com o foco longe e depois o foco panorâmico), ao visualizar a imagem na galeria, podemos selecionar qual plano preferimos. É um recurso idêntico ao que foi apresentado pela primeira vez na câmera Lytro e vale lembrar que outros aparelhos já contam com a novidade, como alguns dispositivos da linha Lumia, da Nokia.

O recurso de economia de energia parece útil para situações extremas. Ele desabilita tudo o que pode no celular, deixa a tela em preto e branco e mantém só os recursos essenciais, como o sinal do telefone para receber ligações. O objetivo é não deixar o aparelho desligar naquelas situações de precisar efetuar ou receber uma chamada importante quando a bateria está no fim. Com a bateria no máximo, se ativarmos esse recurso, só precisaremos carregar o dispositivo novamente depois de 15 dias.

E finalmente o sensor de impressão digital. Consegui vê-lo em funcionamento, mas queria ter feito mais testes. O registro da impressão é simples e podemos cadastrar mais de uma digital, basta passar o dedo pelo sensor várias vezes e ele "aprende" a sua identidade. Quando pedi para outra pessoa tentar desbloquear o aparelho, ele negou o acesso. A Samsung liberou o SDK para desenvolvedores e já tem uma parceria com o PayPal, isso significa que o sensor não serve apenas para desbloquear o aparelho, mas também como chave de segurança para pagamentos e outros serviços.
Galaxy-S5-3
Algumas coisas que não pude testar: o Download Booster, que combina as conexões 4G e Wi-Fi para baixar arquivos com mais velocidade, modo privado que protege suas principais informações ao emprestar o aparelho para outra pessoa, o modo infantil que altera a interface do sistema e restringe o acesso para aplicativos pré-determinados pelo usuário e o sensor de batimentos cardíacos.

Especificações

  • Tela de 5,1 polegadas com resolução de 1920×1080 pixels
  • Processador Snapdragon 801 quad-core de 2,5 GHz
  • 2 GB de memória RAM
  • 16 GB de armazenamento interno (com entrada para microSD de até 128 GB)
  • Câmera de 16 megapixels capaz de filmar em 4K
  • Câmera frontal de 2 megapixels
  • Bateria de 2.800 mAh
  • Entrada USB 3.0
  • Resistência a água e poeira (certificação IP67)
  • Dimensões: 142 x 72.5 x 8.1 mm
  • Peso: 145 gramas
  • Plataforma: Android 4.4.2 (KitKat)
  • Sensores: acelerômetro, bússola, proximidade, compasso, barômetro, temperatura, humidade, gestos, batimentos cardíacos e digitais

Durante a apresentação, João Pedro Flecha de Lima, chefe de mobile da Samsung Brasil, disse que os “consumidores querem recursos úteis”. Parece que a Samsung tentou acrescentar pouco, mas acrescentar novidades reais para os usuários. Essa foi a sensação que eu tive ao usá-lo por 20 minutos.

Gear 2 e Gear Fit

Gear-2
Vi rapidamente o Gear 2 e o Gear Fit, são dispositivos interessantes e muito bonitos mas que não são essenciais. Os dois acessórios rodam o Tizen e sabemos que a Samsung irá preparar algum smartwatch com a plataforma Android Wear, recém lançada pelo Google, se um dispositivo como esse te interessa, talvez seja interessante esperar por mais novidades. O Gear Fit custará R$ 899 e o Gear 2 R$ 1.299, ambos começarão a ser vendidos dia 12 de abril.
Gear-Fit

Fotos por Yuri Camargo