Anunciado na semana passado nos Estados Unidos como Droid Turbo, o Motorola Moto Maxx agora marca presença em território brasileiro. A chegada rápida do dispositivo dá continuidade ao trabalho que a companhia tem feito em diversos mercados desde o primeiro smartphone da linha Moto, priorizando o lançamento global dos seus produtos. As diferenças entre o Droid Turbo e o Moto Maxx ficam só no nome e na compatibilidade com as redes, o primeiro só é compatível com a rede estadunidense (CDMA), enquanto o outro funciona no Brasil (GSM).

O restante das especificações continuam as mesmas:

  • Processador: Qualcomm Snapdragon 805 - Quad-core 2.7 GHz Krait 450;
  • Memória RAM: 3 GB;
  • Tela: Super AMOLED de 5.2 polegadas com resolução QuadHD 1440 x 2560 pixels (~565 ppp – pixels por polegada);
  • Câmera: 21 megapixels com autofoco, duplo flash de LED, filma em 4K;
  • Câmera frontal: 2 megapixels;
  • Bateria: 3900 mAh;
  • Conectividade: 3G, LTE 4G, Wi-Fi 802.11 a/b/g/n/ac, GPS, Bluetooth 4.0, A2DP, LE, NFC e entrada micro-USB 2.0;
  • GPU: Adreno 420;
  • Memória externa: não possui;
  • Memória interna: 64 GB;
  • Dimensões: 143.5 x 73.3 x 8.3 - 11.2 mm;
  • Peso: 169 gramas;
  • Plataforma: Android 4.4.4 (KitKat) com atualização garantida para o 5.0 Lollipop;
  • Sensores: acelerômetro, giroscópio, bússola, proximidade;

Motorola-Moto-Maxx (7)
Os destaques do Moto Maxx são muitos, mas não há dúvidas de que a bateria de 3900 mAh é o principal. A Motorola já teve experiências interessantes com aparelhos com autonomia prolongada e aposta mais uma vez nesse segmento, pouco explorado pelas fabricantes. Segundo a Motorola, ele é capaz de passar 40 horas fora da tomada. Utilizando o carregador Turbo Motorola, em 15 minutos é feita a carga para utilizá-lo por até 6 horas adicionais. Apesar de ter um bateria enorme, o dispositivo não é muito grosso, o ponto mais alto possui apenas 11.2 mm.

A companhia soube usar materiais diferentes para dar um aspecto de smartphone parrudo, pronto para qualquer coisa; e por muito tempo. No Brasil, ele será vendido com o acabamento em nylon balístico, material diferente do que estamos acostumados, para completar, ainda há de baixo uma camada de Kevlar. Ele é protegido por dentro e por fora por um nanorrevestimento repelente à água; a tela é protegida pelo vidro Corning Gorilla Glass 3. A sensação ao pegá-lo é mesmo de resistência, apesar da tela enorme de 5.2 polegadas, ele é compacto, com poucas bordas laterais.

  • Motorola-Moto-Maxx (10)
  • Motorola-Moto-Maxx (11)
  • Motorola-Moto-Maxx (8)
  • Motorola-Moto-Maxx (6)
  • Motorola-Moto-Maxx (5)
  • Motorola-Moto-Maxx (4)
  • Motorola-Moto-Maxx (2)

 

A tela possui resolução QuadHD, e segundo a Motorola, a melhor densidade de pixels do mercado. Ela não impressiona de cara quando comparamos a outros smartphones, no entanto, a qualidade fica evidente quando é reproduzido um vídeo gravado a 4K. Na demonstração da empresa, o vídeo exibido foi produzido com o próprio smartphone, as cenas possuem muitos detalhes. Eles também mostraram algumas fotos tiradas com o Moto Maxx, o nível de detalhes é altíssimo, contrastando com os últimos resultados da Motorola. A briga pode ser boa com concorrentes que também possuem câmeras com resoluções próximas aos 21 megapixels, como o Lumia 1520 e Xperia Z3.

Outro ponto que ganha destaque é a capacidade de armazenamento do dispositivo. Apesar de não possuir entrada para cartão de memória, ele já vem com 64 GB disponíveis. Para efeito de comparação, o iPhone 5S de 64 GB custa, no Brasil, R$ 3.199,00, enquanto o Moto Maxx custa R$ 2.199,00.
Motorola-Moto-Maxx (3)
Durante os minutos que pude mexer no aparelho, ele apresentou o desempenho esperado para um smartphone topo de linha com Android puro: sem engasgos e multitarefa eficiente, tudo praticamente instantâneo. Como o Moto Maxx está em uma linha acima do Moto X, ele leva consigo todas as funções do irmão: os comandos de voz estão presentes, os sensores que permitem alguns controles sem tocar no dispositivo também, entre outros truques da Motorola.

O preço é alto, mas ainda agressivo e justo. Você dificilmente encontrará um smartphone com um conjunto tão bom por R$ 2.199,00. De qualquer forma, foram apenas alguns minutos, mas que deixaram uma ótima primeira impressão. Em breve, farei a análise completa do Moto Maxx.